Você ainda investe em poupança?

 

Você só investe na poupança? Você tem medo de quê? Considerar só a caderneta segura é ignorar as excelentes oportunidades de investimento disponíveis hoje.

A essa altura, deve ter ficado claro que para mim não existem finanças sem pessoas, e não existem pessoas sem emoções. Por isso, toda vez que alguém disser que é uma pessoa 100% racional, fuja!

Por isso, para nós, o verdadeiro planejamento financeiro é algo para a vida toda, até porque, para cada momento há um planejamento – aqui se explica porque não dá para fazê-lo em dez minutos com questões de múltipla escolha.

Dito isso, pedimos licença para falar sobre outra coisa. Hoje queremos falar sobre o medo. Isso mesmo, medo! Esse sentimento que nos paralisa, tem um papel fundamental na sobrevivência ou, pelo estado que ele provoca, em nossa morte – seja ela literal ou metafórica.

Ouvimos sempre pessoas dizendo que investem em imóveis ou poupança porque tratam-se de alternativas “mais seguras”. Outras, que investiram na Bolsa, perderam dinheiro – porque não dominaram o medo – e agora gritam aos quatro ventos que a Bolsa de Valores não é para qualquer um, só para quem tem muito dinheiro.

O curioso é que essas mesmas pessoas não sentem um pingo de remorso em perder R$ 10 mil do dia para noite ao comprar um carro zero. E o detalhe: esse dinheiro é perdido para sempre, não volta. Na Bolsa, se você não vender suas ações na baixa, há pelo menos a chance de recuperar o prejuízo ao longo do tempo. Não lhe parece um contrassenso?

Mas aí você pode me dizer, existem os imóveis, que “sempre valorizam” (digamos que não é bem assim) e ninguém pode tirá-los de você (há controvérsias também). Os imóveis são como ações, podem valorizar-se ou desvalorizar-se. Há ainda o custo da depreciação, que pouca gente se lembra. Para aqueles que alugam, existem ainda os temidos períodos de vacância (quando os imóveis ficam vazios) e a baixíssima rentabilidade do aluguel em relação a outros tipos de investimentos.

O fato é que, desde o momento que somos concebidos, lutamos pela nossa sobrevivência. Corremos riscos a cada suspiro, a cada passo. Segurança é apenas um conceito pré-fabricado, uma ilusão criada para manter as pessoas sob controle.

Com o nosso dinheiro não é diferente: se você acha qualquer investimento que não seja poupança arriscado demais, gostaria de lembrá-lo de um tal Fernando Collor que, sem qualquer pudor ou cerimônia, meteu a mão nesse “templo sagrado” do dinheiro brasileiro.

Deixando as suposições apocalípticas de lado (Deus queira que ninguém mais mexa em nosso queijo), o fato é que a poupança (como já dito um sem número de vezes) é tão segura quanto qualquer investimento garantido pelo FGC, e entre eles estão: CDB, LCI, LCA e alguns outros.

Então investidor, pensando no fato de que você mora no Brasil; e riscos são inerentes à própria vida, nós te perguntamos: você tem medo de quê?

Um abraço

Time Strike

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *