Como fazer a diversificação na sua carteira de investimentos

 

Se você conversar com qualquer investidor experiente de sucesso, vai notar que um dos seus pilares é a diversificação. Ela é muito importante no chamado “gerenciamento de risco” porque ela deixa sua carteira exposta a vários mercados, diminuindo assim a super exposição a riscos desnecessários. Dessa forma o investidor se protege e ao mesmo tempo busca rentabilidade a médio e longo prazo. É a velha máxima do “não deixe todos os ovos em uma única sexta”.

O segundo ponto que se deve levar em consideração na hora de fazer a diversificação, é um pouco mais subjetivo, mas muito importante. E consiste em responder a pergunta: Qual o seu objetivo? Isso porque diversificar é muito importante na construção de patrimônio e deve ser elaborada de acordo com os seus objetivos.

Ainda na década de 50, Harry Markowitz demonstrou matematicamente que importância da diversificação e cunhou a célebre frase:

“O grau de diversificação dos investimentos depende, principalmente, de fatores pessoais e do mercado no momento atual.”

Grandes investidores, como Warren Buffett e Benjamin Graham estão entre os defensores da teoria da carteira.

Podemos então resumir que a diversificação de investimentos consiste em formar uma carteira de ativos com estratégias ancoradas em diferentes indexadores. Eles devem se comportar de formas distintas às intempéries do mercado. E devem sempre obedecer ao seu perfil de investidor, para buscar uma rentabilidade a um custo de risco controlado.

Mas como fazer uma diversificação correta na minha carteira de investimentos?

Equilibrar diferentes ativos pode não ser uma tarefa tão simples. Isso porque eles podem ser atrelados à INFLAÇÃO, CDI, IBOVESPA, DÓLAR, TESOURO PREFIXADO E FUNDOS MULTIMERCADOS e podem ser alocados em duas categorias, RENDA FIXA e RENDA VARIÁVEL. O balanço correto entre esses investimentos é algo que todo investidor deve buscar. E para isso, sempre recomendamos que você também busque uma assessoria especializada e nós da Strike Investimentos, estamos aqui para isso.

Sendo assim, diversificar não é escolher produtos, mas escolher classes de ativos, mercados e segmentos com a proporção correta para o seu perfil de investidor. Montamos um passo a passo para te ajudar a compor sua carteira de investimentos ideal.

1 - Entenda o seu momento financeiro

Jovens em início de suas vidas profissionais, normalmente não possuem patrimônio acumulado. Logo eles estão em busca de construir esse patrimônio. Chamamos esse momento de CONSTRUÇÃO OU ACUMULAÇÃO DE CAPITAL.

Caso você já tenha acumulado certo patrimônio, mas a sua principal fonte de renda ainda seja o seu trabalho, você estará no momento de RENTABILIZAÇÃO. Aqui você deve buscar a maior rentabilidade possível.

Mas, se você já pensa em se aposentar e já acumulou um patrimônio interessante, você deve preservar ele e fazer investimentos que garantem o seu padrão de vida. A esse momento se dá o nome de PRESERVAÇÃO DE CAPITAL.

Entenda o seu momento de vida. E para isso você pode contar com a assessoria especializada da Strike Investimentos, estamos aqui para isso.

2 - Conheça o seu Perfil de investidor

Como cada pessoa possui uma personalidade, não existe uma carteira ou diversificação ideal para todos. Por isso é importante saber se você se encaixa no perfil CONSERVADOR, MODERADO OU AGRESSIVO. E isso vai depender do seu apetite ao risco, ou seja, do seu desconforto diante de um possível problema de rentabilidade que pode ocorrer.

A capacidade de tomar risco varia de acordo com a idade, estabilidade no trabalho, capacidade de poupar, objetivos a longo prazo, se possui dependentes, bens, nível de renda e etc.

Ao abrir uma conta em uma corretora você responderá um questionário que visa identificar em que perfil de investidor você se encaixa.

3 - Defina as classes de ativos

Agora você deve selecionar as classes de ativos que deseja possuir em sua carteira de investimentos. Eles podem ser de renda fixa, renda variável, multimercado, previdência, fundo imobiliário e cambial.

4 - Escolha a proporção ideal de cada classe

Aqui é necessário um bom conhecimento, uma vasta pesquisa e o acesso à informação. Você deve analisar fatores macroeconômicos como taxa de juros, inflação, cenário político e etc.

Com esse estudo, é preciso buscar a proporção ideal que equilibre as classes da sua carteira de investimentos. E eles devem estar em consonância com os passos 1 e 2. E para isso, sempre recomendamos que você também busque uma assessoria especializada e nós da Strike Investimentos, estamos aqui para isso.

5 - Escolha dos ativos

Somente agora você deve se preocupar quais ativos escolher para compor a sua carteira de investimentos. Seja ações, fundos imobiliários, título pré ou pós fixados, LCI, LCA e etc.

E claro, você deve contar com uma boa corretora como a NOVA FUTURA, que vai disponibilizar uma lista completa de produtos.

6 - Acompanhar e rebalancear sua carteira

Depois que você seguiu os passos anteriores e montou a sua carteira de investimentos com a diversificação correta, você deve acompanhar o comportamento de cada ativo que foi alocado nela. E realizar o rebalanceamento periódico a fim de que a proporção ideal seja mantida.

Conclusão

Se você investe a médio e longo prazo, vai precisar de uma boa diversificação de carteira. Aplique os conhecimentos adquiridos neste artigo e conte conosco da assessoria especializada Strike Investimentos, estamos aqui para isso.

Seja bem vindo(a) a esse novo mundo.

Um abraço

Time Strike

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.